Paulo Lopes, Presidente da Comissão Executiva da SOFID (ao centro)  com António Azevedo Gomes (à esquerda) e Francisco Almeida Leite (à direita), Administradores Executivos.

Paulo Lopes, Presidente da Comissão Executiva da SOFID (ao centro) com António Azevedo Gomes (à esquerda) e Francisco Almeida Leite (à direita), Administradores Executivos.

SOFID assina primeiro contrato do InvestimoZ

Artiggo Gratis CEO Lusofono

Investimento hoje anunciado “reflete também papel da SOFID, enquanto gestora do fundo, na ajuda em termos de cooperação. A Mecwide vai criar 100 postos de trabalho e uma escola para criar técnicos e isto é muito importante, indo além da componente financeira do projeto”, destaca Francisco Almeida Leite, Administrador Executivo da SOFID    

A SOFID, banco de desenvolvimento português detido a 60% pelo Estado, assinou hoje com o grupo de metalomecânica português Mecwide o primeiro contrato do Fundo Português de Apoio ao Investimento em Moçambique – InvestimoZ. Anúncio de investimento de cerca de 5 milhões de euros surge na semana em que o Presidente moçambicano, Filipe Nyusi, realiza a primeira visita oficial a Portugal. 

Em declarações exclusivas a CEO Lusófono, Francisco Almeida Leite, Administrador Executivo da SOFID, assinala a importância da assinatura deste contrato, “o primeiro de quatro projetos já aprovados na comissão conjunta, que reúne os governos de Portugal e Moçambique e a SOFID, entidade gestora do fundo IvestimoZ, destinado a potenciar as parcerias luso-moçambicanas em Moçambique”.

“Imprimimos ao fundo uma nova dinâmica comercial muito ativa”

Criado pelos governos dos dois países, em 2010, como resultado de uma contrapartida da alienação da Barragem de Cahora Bassa, o fundo ficou operacional em 2011, “mas durante estes anos não foi possível às administrações anteriores financiar projetos através do InvestimoZ”, explica Francisco Almeida Leite, destacando o trabalho da atual administração da SOFID, que, em 2014, conseguiu  fazer uma flexibilização do fundo, “que se revelou muito importante, ao alterar, por exemplo, o prazo máximo de financiamento para 9 anos e baixar o capital social mínimo de 250 mil euros para 150 mil euros, um passo extremamente importante, porque muitas vezes as empresas portuguesas  não têm um capital social muito elevado”.

“Em 2015 tivemos uma nova dinâmica comercial  muito ativa, para que o fundo fizesse as primeiras operações. Este contrato hoje anunciado é o primeiro e é extremamente importante que isto aconteça, nesta fase, aliás coincidindo com a vinda a Portugal do Presidente da República de Moçambique, Filipe Nyusi, e com uma empresa muito interessante, de metalomecânica, com uma forte componente tecnológica e que vai levar o seu know-how para Moçambique”.

Aposta da Mecwide no fabrico e montagens metalomecânicas

O projeto terá um valor global de 5.050 milhões de euros, cabendo ao Investimoz o financiamento da empresa portuguesa Mecwide, no montante de 800 mil euros, tendo em vista a aquisição de uma participação de 90% no capital da empresa moçambicana MIM. Com esta aquisição o Grupo Mecwide pretende desenvolver de seguida a construção de uma unidade industrial de metalomecânica.

O contrato foi assinado por Paulo Lopes, Presidente da Comissão Executiva da SOFID, e António Azevedo Gomes, Administrador Executivo, e pelos CEO e CFFO da Mecwide, Carlos Palhares e André Pinto, respetivamente.

Ainda esta semana, a Comissão Executiva da SOFID prevê assinar mais dois contratos do Investimoz, no setor de comércio e serviços, com um total de investimento de 5,56 milhões de euros e uma participação do fundo de cerca de um milhão de euros


entrada_sitePRb