Silvino Palmer:  “Façam do meu Príncipe o vosso Príncipe também”

Silvino Palmer: “Façam do meu Príncipe o vosso Príncipe também”

Artigo-Gratis-CEO-Lusofono

O Governo Regional do Príncipe  acolhe de braços abertos o investimento direto estrangeiro, “um investimento que contribua para o desenvolvimento sustentável da ilha e venha melhorar as condições de vida da população”, salienta Silvino Palmer, atual Secretário Regional de Finanças, até há poucos meses responsável pela área da Economia.

Em entrevista exclusiva a CEO Lusófono, o governante fala sobre a dinâmica de desenvolvimento da ilha nos últimos anos e convida os empresários e investidores a visitarem a região e descobrirem as suas potencialidades, com os votos: “façam do meu Príncipe o vosso Príncipe também”.

 

O Governo Regional do Príncipe tem estado a fazer uma aposta estratégica, no campo económico, nas áreas da agricultura, pecuária, pesca, turismo e atração do investimento direto estrangeiro,  tendo por base “o grande objetivo de criação de postos de trabalho”

“O emprego é um fator decisivo de bem-estar social. Queremos acabar com as situações de dependência e mudar o paradigma, deixando de olhar para os desafios que enfrentamos sob prisma  da redução de pobreza, mas antes sob o prisma de criação de riqueza. E, para isso, temos de criar incentivos para que cada habitante possa concretizar o seu potencial”.

“Nós olhamos para o o investimento como um fator de aumento da capacidade produtiva, mas também como fator de transformação social positiva. E essa aposta tem dado resultados e é para manter porque não queremos que haja melhoria das condições económicas sem que isso tenha reflexo na melhoria do bem-estar das populações, que devem ser envolvidas para que sintam que fazem parte da mudança que está a ocorrer na região”.

Aposta na Sustentabilidade

O Governo Regional está por isso de braços abertos “a investimentos que contribuam para o desenvolvimento sustentável da ilha e venham melhorar as condições de vida da população”, porque, nota Silvino Palmer, os grandes ativos que a região tem são os seus habitantes é a Natureza. “O Governo Regional aposta neste equilíbrio entre a comunidade, a Natureza e o desenvolvimento económico, sob pena de, caso não houvesse esse equilíbrio, desvalorizarmos a grande riqueza que temos. Assim, procuramos minimizar ao máximo eventuais impactos negativos dos investimentos feitos na região”.

“Queremos que haja um compromisso alargado a todos as partes que integram este desafio, Governo, investidores, empresas locais, populações, para esta aposta”, acrescenta.

Governo tem de transmitir confiança aos investidores 

Silvino Palmer salienta que “o  Governo tem a responsabilidade pela administração pública, mas há um valor importante que é o da credibilidade. Tem de transmitir uma imagem de credibilidade e estabilidade para que  os investidores possam programar convenientemente os seus investimentos”.

“Nós vemos os investidores como parceiros e procuramos otimizar da melhor forma esta parceria, para gerarmos o máximo de benefícios  para todas as partes interessadas, os próprios investidores, o governo e as populações. E queremos que os investidores se sintam em casa. E a beleza natural da ilha, as suas pessoas, ajudam a que isso aconteça”.

O executivo regional conta que os investidores façam parte da comunidade, que se comprometam com o esforço conjunto de desenvolvimento da região. “Queremos que venham experimentar esta paixão que todos temos pelo Príncipe, porque a relação que se estabelece com esta região transcende o lado económico, é um território muito especial que envolve todos os que nos visitam”.

Os grandes desafios

“Nós temos uma série de desafios. Por exemplo, na área social, temos estado a fazer uma forte aposta na educação, saúde e criação de infraestruturas de apoio a todo o investimento sócio-económico da região. Temos, aliás, identificado que a ausência de infraestruturas básicas tem sido uma das principais barreiras ao desenvolvimento da ilha, daí esta ser uma das áreas de intervenção prioritárias”.

“Há ainda a questão da proteção do ambiente e a questão da dupla-insularidade, o isolamento em relação ao mundo, que começa a ser atenuado com os investimentos, por exemplo, da HBD e CST nas tecnologias de informação”.

Silvino Palmer identifica ainda a melhoria das condições logísticas, nomeadamente ao nível das infraestruturas portuárias, como uma aposta necessária de modo a que sejam adequadas ao desenvolvimento do comércio e, ao nível da energia, considera que é preciso apostar nas energias renováveis para fazer face às necessidades da região.

Fundamental também é “a aposta na qualificação e formação das populações para apoiar o desenvolvimento do turismo e das indústrias que o acompanham”.

“Há muitos desafios a que temos de dar resposta, mas acreditamos que com os parceiros que temos, com a convergência de interesses entre o setor publico e o setor privado, vai ser possível  alcançarmos este objetivo de desenvolvimento sustentável”, conclui.

 

Silvino Palmer

Natural do Príncipe, com 59 anos, é licenciado em Economia pela Faculdade de Economia da Universidade Nova de Lisboa, e tem uma Pós-graduação em Estatística e Gestão da Informação no Instituto Superior de Estatística (ISEGI), Universidade Nova de Lisboa, Portugal. Frequentou o Curso de Piloto de Aviões-Caça (Galeb G-2A-L e Jastreb) na Academia da Força Aérea Líbia e tem mais de 10 anos de experiência nos mercados de capitais,tendo ainda contribuído para o desenvolvimento do sistema estatístico nacional de São Tomé e Príncipe.

 


entrada_sitePRb