Hi!­ ‐ Handcrafted Innovation: Das mãos de São Tomé e Príncipe para o Mundo

Hi!­ ‐ Handcrafted Innovation: Das mãos de São Tomé e Príncipe para o Mundo

Pedro Alegria

Pedro Alegria, Founder & Creative Ideator da Torke+CC

Um projeto de empreendedorismo social desenvolvido em co-criação pela agência criativa portuguesa Torke+CC e o Camões Instituto da Cooperação e da Língua está a permitir que artesãos santomenses criem produtos únicos, como pens USB e carros telecomandados, para serem comercializados através de uma plataforma online para todo o mundo, ligando assim o artesanato à inovação tecnológica.

Pedro Alegria, Founder & Creative Ideator da Torke+CC, em entrevista exclusiva a CEO Lusófono, revela como surgiu a ideia de criar a empresa social “Hi!­ ‐ Handcrafted Innovation From São Tomé e Príncipe“, e os passos que estão a ser dados nesta aposta de dar visibilidade à produção e economia local do país.

“Este é um projeto que nasceu da experiência que tivemos com uma ação de formação, há cerca de nove anos, em São Tomé e Príncipe, já focada na área da Economia Social e já trabalhando muito de perto com os artesãos . Essa ação permitiu-nos ter um conhecimento da realidade local e perceber que os artesãos santomenses têm um enorme potencial. Trabalham a madeira como nós escrevemos no papel, e esse talento merecia ser destacado”, explica Pedro Alegria.

04_Products-frist-prototypesSurgiu então a ideia de criar pens USB esculpidas em madeira pelos artesãos santomenses, um projeto de pequena dimensão que começou em parceria com a Santa Casa da Misericórdia de São Tomé e Príncipe, tendo depois a Torke+CC unido esforços com o Camões Instituto da Cooperação e da Língua, para criar a empresa de inovação social “Hi!­ ‐ Handcrafted Innovation From São Tomé e Príncipe”, um projeto que conta ainda com a parceria da Embaixada de Portugal e do Governo de São Tomé e Príncipe.

“Convergimos com o Camões – Instituto da Cooperação e da Língua no desafio de ter impacto na economia local através da aposta no artesanato, agregando-lhe tecnologia para criar pontes com outras realidades e abrindo assim novos mercados aos produtos artesanais do país”, salienta o responsável da Torke+CC.

30 artesãos unem experiência a inovação tecnológica

Hoje, são já cerca de 30 os artesãos santomenses que uniram a sua experiência à inovação tecnológica para criar produtos únicos feitos à mão, pedaços de história que refletem a tradição do país.

Pens USB e carros telecomandados são os produtos atualmente produzidos pela Hi! e são vendidos através de uma plataforma online para todo o mundo.

00_Amílcar_Silvério_AtaídeAs pens são esculpidas em chifre de boi e em madeira de cedrela e coqueiro, dois tipos de madeira local, que resultam num objeto único para guardar memórias. Os carros telecomandados, são feitos em madeira, de chifre de boi e de arame.

“Neste momento estamos apostados em dois produtos, para que possamos focar-nos na qualidade e na consolidação deste projeto, mas vamos, em função também da reação dos clientes, poder introduzir novos produtos futuramente”.

Transferência de conhecimento e impacto social

Pedro Alegria salienta o facto de este ser um projeto que “contribui também, de forma decisiva, para a transferência de conhecimento, não só pelo contacto direto com as novas tecnologias, mas por tudo o que este projeto oferece de valor acrescentado aos artesãos, que passam a trabalhar tendo em vista um mercado global”. E destaca também o compromisso muito sério com a reinserção social, estando a  Hi! a promover atualmente ações de formação na oficina da Cadeia Central de São Tomé e Príncipe .

00_Ataide_teaching-in-prison

Ação de Formação na Cadeia Central de São Tomé e Príncipe

“Temos atualmente dois dos artesãos mais experientes neste projeto a dar formação em artesanato na oficina da Cadeia Central. Isto permite apoiar a reabilitação desses reclusos”.

A Hi! quer ter uma rede artesãos o mais inclusiva possível. E está aberta a acolher mais artesãos no projeto, com, inclusive, parte das receitas a ser destinada a ações de formação.

Além do mérito social, é significativo o contributo económico da iniciativa. A empresa paga em adiantado aos artesãos, ficando com o ónus comercial, ou seja, faz a encomenda, paga aos artesãos e depois vende. Face à realidade do país, só tendo em conta as pens USB, é possível a estes artesãos auferirem o ordenado mínimo nacional em cerca de 4 dias de trabalho, sendo assim um bom exemplo da importância de projetos que acrescentam valor ao trabalho que é já tradicionalmente desenvolvido localmente.

“Já há pens USB feitas em São Tomé e Príncipe em vários pontos do mundo”

00_PENS“A experiência de comercialização está a dar os primeiros passos, estamos na fase de estabelecer protocolos com cadeias de distribuição internacionais, mas já tivemos uma encomenda da BARE International, uma empresa global, de cerca de 100 pens para distribuir pelos seus melhores colaboradores no mundo todo. Já há pens feitas em São Tomé que estão nos EUA, em países asiáticos, no Brasil e na Europa, e queremos, sem dúvida, chegar a mais mercados”, diz Pedro Alegria.

O responsável pelo projeto destaca ainda o facto de as empresas, ao associarem-se a esta iniciativa, estarem a contribuir para estimular o empreendedorismo social e nota o bom acolhimento do setor empresarial de São Tomé e Príncipe, onde a primeira encomenda sido feita pela empresa de telecomunicações CST.

“Este modelo tem enorme potencial de replicação noutros mercados”

00_Car in prisonQuanto ao futuros desenvolvimentos da Hi!, o Founder & Creative Ideator da Torke+CC, revela que o foco está, para já, em assegurar que o projeto se torne sustentável a longo prazo.

“No curto prazo está a correr muito bem, agora há que dar solidez ao projeto. E vemos também que este modelo tem um enorme potencial de replicação noutros mercados. Este é um projeto que beneficia o país onde está inserido ao criar pontes com outras realidades e ao contribuir também para a promoção do país, da sua cultura. Aliás, o projeto foi muito bem acolhido pelas autoridades locais, que entenderam os benefícios não só económicos e sociais, mas também de promoção da cultura do país noutros mercados”.

Para Pedro Alegria, a Handcrafted Inovation pode ser uma plataforma de promoção de diferentes culturas de todo o mundo, pegando nesta primeira experiência de São Tomé e Príncipe para a criação de uma plataforma global. “E parece-nos natural que, pensando em levar a Hi! para outros mercados, isso se faça também noutros países lusófonos, até pelo papel que o Instituto Camões tem tido, podendo esta parceria ser alargada a outros países”.

“Está no ADN da Torke+CC criar ideias globalmente relevantes”

Este é também um projeto que espelha a matriz da Torke+CC, boutique agency de consultoria criativa, com escritórios em Lisboa, São Paulo e Benelux, que reúne pessoas com diferentes experiências e formas de pensar, com o objetivo comum de desenvolver ideias globalmente relevantes. A sua forte vertente de e responsabilidade social leva à criação de produtos e serviços para melhorar o mundo.

“Está no nosso ADN criar ideias que sejam globalmente relevantes, sentimos uma grande realização pelo facto de podermos estar a contribuir para outros contextos , mas também nos enriquece imenso o que conseguimos aprender com esses contextos”.

“São Tomé e Príncipe, com a sua cultura, com as suas características, também nos ajuda a refrescar a nossa forma de pensar e agir para que possamos aplicar esta experiência em projetos futuro. Também é muito interessante para uma empresa com escritórios em Lisboa, São Paulo e Bruxelas ser capaz de desenvolver projetos noutros países e noutras culturas e isso ajuda a demonstrar a nossa capacidade de trabalhar noutros contextos”, conclui.
 

00_quinda